Tudo para você melhorar a performance dos seus equipamentos e evitar manutenções de alto custo. Fale com um especialista

Análise de Óleo

Os tipos de desgaste do motor a diesel

 21 de novembro

Introdução: motores a diesel

O motor a diesel foi inventado no fim do século 21 pelo engenheiro alemão Rudolf Diesel. Para a época, a tecnologia era considerada relativamente simples, mas muito avançada. Seu primeiro modelo era de injeção indireta e alimentado por óleos vegetais e até mesmo por óleo de peixe. Após a morte de Rudolf Diesel, a indústria do petróleo criou um tipo de óleo que, em homenagem a esse inventor, foi denominado “óleo diesel”. Logo, tal óleo passou a ser muito utilizado por causa do preço mais econômico em relação aos outros combustíveis.

Em motores a diesel, o combustível queima por ação do calor, liberado quando o ar é altamente comprimido. Esse tipo de motor apresenta pontos positivos para o uso em veículos pesados, tais como rendimento, segurança, baixo custo de manutenção e tempo de vida útil. Com adaptações necessárias, o motor a diesel pode funcionar com diversos tipos de combustível, como é o caso de óleos vegetais, gás natural e gasolina de alta octanagem. De qualquer forma, o mais comum e adequado é o diesel destilado do óleo mineral cru.

A seguir, falaremos sobre os diferentes tipos de desgaste e como a manutenção preditiva pode ser uma aliada nesses casos.

 

Diferentes tipos de desgaste

No Post de hoje, você vai conhecer os diferentes tipos de desgaste em motores a diesel e suas especificidades.

Desgaste devido ao atrito

Quando falamos sobre desgaste do motor a diesel, o desgaste devido ao atrito figura entre os mais comuns. De natureza benigna, esse tipo de desgaste é chamado com frequência de “desgaste normal por atrito”. Neste, as partículas de desgaste são formadas a partir do deslizamento normal entre duas superfícies metálicas. Identificadas pelo comprimento relativamente grande em relação a sua espessura e por sua forma, de plaquetas lisas e planas, tais partículas geralmente apresentam tamanho reduzido.

É necessário atentar para a contaminação do sistema de lubrificação, que pode influenciar na produção de partícula de desgaste do motor a diesel por atrito. Quando isso acontece, a taxa de geração das partículas e, por consequência, sua concentração se elevam rapidamente, algo frequentemente acompanhado pelo aumento no tamanho dessas partículas. Em tais condições, ainda que não seja muito provável a ocorrência de falha catastrófica, uma alta taxa de desgaste pode ocasionar um desgaste mais rápido do maquinário.

 

Desgaste devido à fadiga

As chamadas “tensões de contato” surgem no momento em que há movimento de rolamento, que acontece quando há o contato entre superfícies por conta de uma carga de compressão. Nesse processo, são produzidas as tensões de cisalhamento e se tem a fadiga superficial.

Dentes de engrenagens, mancais de rolamento, cames e em partes de máquinas com superfícies de contato com rolamento são exemplos desse desgaste.

 

Desgaste devido ao corte

Outro tipo de desgaste do motor a diesel se dá pela ocorrência de ranhuras, penetrações ou corte de uma superfície por outra. Trata-se do desgaste devido ao corte, em que as partículas encontradas indicam um estado de uso ativo, ação provocada por contaminantes duro embutidos na superfície com menor dureza ou pela diferença no nível de dureza entre superfícies em contato.

A presença dessas partículas requer monitoramento cuidadoso, uma vez que indica situação anormal de funcionamento. Geralmente, é possível encontrar em detritos depositados pequenas partículas de desgaste devido ao corte, ainda que não mostrem nenhum uso adverso. No entanto, a quebra de algum componente da máquina pode ser indicada se a quantidade ou o tamanho das partículas aumentarem com o tempo de trabalho.

 

Desgaste severo por deslizamento

Por fim, há o desgaste severo por deslizamento, no qual as partículas são formadas por conta de lubrificação imprópria, alta velocidade de funcionamento ou condições de carregamento excessivas na superfície. Esse tipo de desgaste causa linhas paralelas na superfície do deslizamento, isto é, as famosas “estrias”. Um indicativo da gravidade do desgaste está ligado à temperatura atingida, que vai do amarelo claro ao azul, assinalando um nível de desgaste crítico.

 

Conclusão: manutenção preditiva como forma de evitar

Para evitar os desgastes em motores a diesel, você pode contar com a ajuda da manutenção preditiva. Ela é capaz de identificar as condições reais dos motores, por meio de dados que informam o status atual de degradação, antes mesmo que apresentem os primeiros sinais de falha. Graças a esse procedimento, torna-se possível evitar trocas desnecessárias de peças e componentes em bom estado.

Evite o desgaste do seu equipamento. Fale com um especialista da Oilcheck.

Posts

Mais lidos

Manutenção Preventiva x Manutenção Preditiva: Saiba a Diferença Manutenção preditiva: tudo o que você precisa saber sobre o assunto Quais os objetivos da manutenção preditiva? Análise de óleo: tudo o que você precisa saber sobre o assunto. Descubra o que é MTTR e MTBF e quais são suas diferenças O que significa o S10 para óleo diesel? As falhas mais comuns ligadas à lubrificação de motores Saiba qual é o Planejamento e Controle da Manutenção ideal As cinco funções básicas do óleo lubrificante Motor a diesel: você conhece suas principais partes?

Material

Gratuito

Gostou do que leu? Deixe um comentário!

Receba as atualizações e novidades do Blog

Thank you! Your submission has been received!

Oops! Something went wrong while submitting the form :(

ASSINE A NEWSLETTER DO BLOG
MANUTENÇÃO PREDITIVA
E SAIBA TUDO PARA MELHORAR
A PERFORMANCE DOS SEUS EQUIPAMENTOS