Tudo para você melhorar a performance dos seus equipamentos e evitar manutenções de alto custo. Fale com um especialista

Manutenção

Oito pilares de uma boa cultura de manutenção

 06 de março

Gestão e liderança tanto definem como catalisam a cultura de uma organização, seja bom, seja ruim. Mesmo a má cultura enraizada na alta inércia institucional pode ser mudada. Essa mudança pode ser mais difícil e até mesmo um tanto perturbadora, mas está longe de ser impossível. Ainda assim, nada acontece sem um compromisso de gestão inabalável para se criar uma base sustentável para a mudança.

Você acha que a cultura é algo que mantém o gerente da fábrica “acordado” à noite? Talvez esse indivíduo não saiba como ele está impactando a linha de fundo da empresa. Os gerentes que entendem e veem a confiabilidade da planta como um meio para semear rentabilidade têm o desejo de inspirar e apoiar iniciativas de cultura que constroem equipes de manutenção carregadas e prósperas. Parar a gestão da porta giratória também é importante.

O papel da gestão no comportamento e na cultura do grupo tem sido tema de inúmeros livros e publicações. Relaciona-se com a formação de equipes, os membros da equipe envolvida, capacitação, comunicação, definição de metas, definição da missão, visão e valores e muito mais.

Outra maneira de encontrar sabedoria é estudar o sucesso dos outros. Quais são os tópicos comuns de uma cultura de manutenção bem-sucedida? Existem vários, e a maioria não é específica para a manutenção, mas sim fundamental para qualquer organização operacional. Em razão disso, você pode aproveitar as experiências de inúmeras equipes que têm vencido com êxito o desafio de transformação cultural. Para começar, é importante familiarizar-se com os oito pilares de uma cultura de boa manutenção.

 

1. As pessoas certas

Considerando que os funcionários são vistos como os ativos mais valiosos de uma empresa, isso só procede quando as pessoas certas estão no emprego certo. Pessoas incompetentes que trabalham em posições de manutenção podem apresentar riscos operacionais e culturais consideráveis, ao contrário de serem ativos produtivos. Selecione, nutra e inspire as pessoas certas para construir uma cultura de manutenção próspera.

 

2. Competências profissionais e know-how

Como mencionado anteriormente, quando fazem um bom trabalho, as pessoas se sentem bem consigo mesmas e com seu emprego. As pessoas querem fazer as coisas certas na primeira e na segunda vez. No entanto, muitas delas sofrem de incompetência inconsciente. Em outras palavras, elas não sabem ou negam o nível de sua incompetência. Outras estão plenamente conscientes de que suas habilidades estão “desesperadamente” falhas.

Uma cultura próspera de plantas é uma cultura de aprendizagem. Educação, quando eficaz, amplia a atuação das pessoas além de sua zona de conforto. Tal cultura não só constrói capital intelectual, mas, ao longo do tempo, promove um desejo comportamental de fazer as coisas certas sempre. Ela também constrói a lealdade da equipe e a sua dedicação para alcançar objetivos de negócios. As pessoas aprendem de forma diferente; então, não afirme que o conhecimento só é adquirido em uma sala de aula. A certificação promove o orgulho e deve ser a pedra angular de cada fase de aprendizagem, proporcionando reconhecimento visível da competência.

Em seguida, crie um ambiente de trabalho padronizado, também conhecido como “manutenção baseada em procedimentos”. Isso leva ao hábito de executar as tarefas de manutenção que devem ser rotineiramente e periodicamente realizadas. Esses não devem ser apenas quaisquer procedimentos antigos ou aqueles encontrados em manuais de serviço de máquina. Em vez disso, devem ser atualizados com conceitos modernos de manutenção. Procure a ajuda de que necessita para obter os procedimentos corretos.

 

3. As ferramentas

Um monte de novas tecnologias entrou no mundo da manutenção das máquinas nos últimos anos. Da mesma forma que os veteranos estão se aposentando, isso também deverá ocorrer com muitas de suas ferramentas. A caixa de ferramentas de manutenção de hoje deve ser usada além de reparos e medidas corretivas. Ela também deve conter ferramentas e dispositivos que inspecionem e controlem condições que possam levar à falha ou são sintomas incipientes de falha. Estes incluem ferramentas de inspeção, instrumentos de monitoramento de condições, dispositivos de controle de contaminação, etc.

Um ponto de partida extremamente bom é a educação e a criação de uma cultura de treinamento estratégico em vez de aprendizagem reativa ou just-in-time. Os programas de treinamento que apresentam conceitos modernos e baseados em tecnologia na manutenção também detalharão as ferramentas que os permitem. Educação e ferramentas trazem orgulho ao trabalho e à profissão. Esse é um precursor de uma boa cultura de manutenção, por isso não o poupe.

 

4. Preparação da máquina

Pense além de uma mudança em suas habilidades e caixa de ferramentas. Mesmo as novas máquinas de hoje não serão equipadas com o hardware auxiliar para permitir a manutenção de qualidade. Muitas modificações de máquina são necessárias. Essas incluem hardware e acessórios relacionados com inspeção, segurança, amostragem, análise de óleo, controle de contaminação, manuseio de óleo, instrumentação e aplicações de lubrificantes.

 

5. Planejamento, agendamento e organização geral

Na manutenção, há uma necessidade para o bom controle da semana do trabalho. As atividades precisam de ritmo com poucas surpresas. Enquanto isso requer planejamento e programação adequados, também exige um sistema de alerta precoce. Você não pode planejar e agendar a ação corretiva se você não puder proativamente ver a necessidade disso. E uma organização atormentada por manutenção crônica, não programada, é uma organização que está sofrendo de má cultura de manutenção.

O monitoramento de condições inclui manutenção proativa e manutenção preditiva. A manutenção proativa vê as causas raiz da falha muito antes de um reparo ser necessário e responde a elas. Uma boa cultura de manutenção é uma cultura de manutenção proativa. Faça dos eventos de falha uma exceção rara.

A manutenção preditiva é um complemento para a manutenção proativa. Sua função é verificar os sintomas de falha e tomar providências em relação a essas, isto é, quanto mais cedo, melhor. Assim como é fundamental diagnosticar uma doença prematuramente, também é muito importante fazer o diagnóstico de falhas em máquinas logo no seu início. Felizmente, a tecnologia está disponível para permitir a monitoração da condição da máquina em um nível muito alto. Quando bem executada, a manutenção reativa é transformada em manutenção planejada. Isso ajudará a obter ordens de trabalho em conformidade e a reduzir ou eliminar o atraso de ordens de trabalho de envelhecimento.

 

6. Medição

Quando você mede, você está comunicando o que é importante. Da mesma forma, as coisas que não são medidas são assumidas como sem importância. Cuidado com o que você não mede! As pessoas trabalham subconscientemente a métrica. Elas sabem como estão sendo avaliadas e respondem de acordo com seu comportamento de trabalho. Medição de desempenho constante, relatórios e correções de curso são sinais de uma boa cultura de manutenção.

A medição deve ocorrer de muitas formas e em vários níveis, incluindo indicadores atrasados, indicadores avançados, indicadores macros e indicadores micros. Os indicadores macros são mais holísticos, proporcionando uma visão geral da confiabilidade da planta. Os números gerais de utilização de ativos, como a Efetividade Geral do Equipamento, são bons exemplos de métricas macros.

Micros indicadores olham para causas de falha e sintomas. Os níveis gerais de vibração da máquina e de limpeza do lubrificante seriam exemplos de micros métricas. Muitos desses indicadores de desempenho relatam o que acabou de acontecer (indicadores de atraso), enquanto outros relatam o que vai acontecer (indicadores de liderança).

 

7. Motivação e desejo

Os trabalhadores da manutenção são mais do que apenas os “braços” e as “pernas” que executam tarefas sem mente. Eles são trabalhadores produtivos e experientes que não só realizam o plano de trabalho, mas também criam, inovam e melhoram a qualidade e a eficiência do trabalho realizado. O conhecimento amplifica o capital intelectual de uma empresa, estimulando a mente de seus funcionários. Quando podem agir em seu pensamento e opiniões, os funcionários estimulam o orgulho em relação ao seu trabalho e são os mais produtivos. Essa é a definição de engajamento.

Reconhecimento e recompensa são também importantes para a cultura. Muitas empresas não reconhecem corretamente os funcionários que se destacam. Por exemplo, é muito comum ver os técnicos de lubrificação na parte inferior da escala de remuneração. Algumas empresas entram no ciclo de desespero contratando trabalhadores com baixa qualificação e remunerando-os em conformidade. Muitas vezes, as empresas usam títulos degradantes, como se referir a um técnico de lubrificação com um “lubrificador”. Vejamos: uma lata de óleo é considerada um “lubrificador”; é um objeto que executa uma tarefa mecânica e repetitiva. Já uma tecnologia de lubrificação para ser levada a efeito requer um ser humano pensante que domina as habilidades necessárias para executar o trabalho e seu impacto em uma máquina.

Há também muitos tipos não monetários de recompensa. As empresas que não conseguem celebrar o fato de não terem máquinas quebradas para reparar perdem a oportunidade de fortalecimento da cultura.

 

8. Investimento

Organizações “magras” ao extremo prejudicam sua cultura de manutenção. Muitos que trabalham no campo de manutenção têm a mentalidade de que há sempre tempo e dinheiro suficientes para corrigir um problema, mas nunca tempo suficiente ou dinheiro para impedi-lo. No centro do problema está a aquisição de material barato, em vez de adquirir ferramentas, acessórios, software e instrumentos adequados. Muitas vezes, as empresas, especialmente as negociadas publicamente, são impulsionadas pelo desejo de ver quanto dinheiro elas podem ganhar entre “hoje” e a “próxima terça-feira”. O investimento, no entanto, é uma estratégia de longo prazo que cultiva uma cultura produtiva.

 

Conclusão

A transformação da cultura de manutenção não é uma tarefa fácil. O empresário deve assumir o programa iniciando o processo de desmantelamento da sua cultura de má manutenção e substituí-la pelos oito pilares de uma boa cultura de manutenção. Crie uma visão compartilhada do que você está tentando alcançar. Como será? Como a empresa se beneficiará? Como os membros da equipe se beneficiarão? Até que você corrija o problema da cultura, você não pode se considerar no estado elevado da excelência na confiabilidade da manutenção.

Comentários:

Pedro Hernandes | 17 de julho
Que bom que gostou, Paulo. Muito obrigado! Confira mais sobre esse assunto aqui: http://materiais.oilcheck.com.br/manutencao-do-equipamento-industrial

Comentários:

PAULO HENRIQUE MORAES | 13 de julho
Ótima matéria, bem escrita e direcionada, muito técnica - Parabéns.

Posts

Mais lidos

Manutenção Preventiva x Manutenção Preditiva: Saiba a Diferença Manutenção preditiva: tudo o que você precisa saber sobre o assunto Quais os objetivos da manutenção preditiva? Análise de óleo: tudo o que você precisa saber sobre o assunto. Descubra o que é MTTR e MTBF e quais são suas diferenças O que significa o S10 para óleo diesel? As falhas mais comuns ligadas à lubrificação de motores Saiba qual é o Planejamento e Controle da Manutenção ideal As cinco funções básicas do óleo lubrificante Motor a diesel: você conhece suas principais partes?

Material

Gratuito

Gostou do que leu? Deixe um comentário!

Receba as atualizações e novidades do Blog

Thank you! Your submission has been received!

Oops! Something went wrong while submitting the form :(

ASSINE A NEWSLETTER DO BLOG
MANUTENÇÃO PREDITIVA
E SAIBA TUDO PARA MELHORAR
A PERFORMANCE DOS SEUS EQUIPAMENTOS