Tudo para você melhorar a performance dos seus equipamentos e evitar manutenções de alto custo. Fale com um especialista

Análise de Óleo

Qual a diferença entre o elemento de desgaste ferro e as partículas metálicas visíveis a olho nu?

 06 de março

Uma das grandes dúvidas dos responsáveis da manutenção é na diferença dos resultados entre o elemento de desgaste ferro e a grande quantidade de limalhas ferrosas visíveis a olho nu. Dentre os mais variados questionamentos, o mais comum é:

“Encontramos grande quantidade de limalhas ferrosas visíveis a olho nu retidas no filtro de óleo motor. Por que o relatório da análise de óleo não apresentou altas concentrações de ferro?”

Antes, precisamos conhecer as análises que apresentam esses resultados.

A análise de ICP (Inductively Coupled Plasma) mede partículas microscópicas que estão, na maioria dos casos, solúveis no óleo. E os valores apresentados são resultados da análise de “quantificação” dos átomos com tamanho máximo de 10 micras. Como exemplo, a menor partícula que conseguimos enxergar contém o tamanho de 40 micras.

No caso das partículas metálicas, são resultados apresentados pela análise de microscopia, método de avaliação das partículas visíveis a olho nu que utiliza uma lupa de aumento e um ímã especial.

De forma básica, podemos dizer que os resultados do elemento de desgaste ferro apresentado na análise de ICP são partículas microscópicas não detectáveis a olho nu. E suas altas concentrações, em conjunto com outros elementos, como silício, alumínio ou cobre, indicam “princípio” de desgaste, necessitando de intervenções preventivas a fim de minimizar e até mesmo de eliminar a causa de anormalidade.

Já os resultados de “microscopia” são provenientes de uma análise “qualitativa” que indica se a amostra contém ou não partículas visíveis a olho nu. Em caso positivo, é importante uma intervenção imediata no componente, uma vez que, se isso não for proveniente do procedimento inadequado de coleta, pode-se deduzir que essas estão retidas nos filtros de óleo ou nos bujões magnéticos, necessitando de uma intervenção corretiva.

No entanto, em razão da total diferença dos métodos aplicados, bem como do tamanho das partículas analisadas, não necessariamente essas apresentarão altas concentrações de ferro em conjunto com grande quantidade de partículas visíveis a olho nu. Mas, em ambos os casos, é de suma importante obter o correto direcionamento das intervenções.

Posts

Mais lidos

Manutenção Preventiva x Manutenção Preditiva: Saiba a Diferença Manutenção preditiva: tudo o que você precisa saber sobre o assunto Quais os objetivos da manutenção preditiva? Análise de óleo: tudo o que você precisa saber sobre o assunto. Descubra o que é MTTR e MTBF e quais são suas diferenças O que significa o S10 para óleo diesel? As falhas mais comuns ligadas à lubrificação de motores Saiba qual é o Planejamento e Controle da Manutenção ideal As cinco funções básicas do óleo lubrificante Motor a diesel: você conhece suas principais partes?

Material

Gratuito

Gostou do que leu? Deixe um comentário!

Receba as atualizações e novidades do Blog

Thank you! Your submission has been received!

Oops! Something went wrong while submitting the form :(

ASSINE A NEWSLETTER DO BLOG
MANUTENÇÃO PREDITIVA
E SAIBA TUDO PARA MELHORAR
A PERFORMANCE DOS SEUS EQUIPAMENTOS