Tudo para você melhorar a performance dos seus equipamentos e evitar manutenções de alto custo. Fale com um especialista

Análise de Óleo

Por que fazer análise de óleo nos motores a diesel?

 02 de novembro

O sucesso da sua empresa depende diretamente do bom estado e do funcionamento de seus equipamentos. Por isso, os investimentos em ferramentas de manutenção preditiva, como a análise de óleo, devem ser uma das prioridades no plano de negócios da organização.

A análise do óleo consiste na realização de diversos testes de laboratório feitos numa amostra. Os resultados levantam informações essenciais sobre as condições dos lubrificantes, os níveis de contaminação e o desgaste dos componentes do equipamento lubrificado pelo óleo.

Existem quatro principais tipos de análise de óleo: análise físico-química, análise de contaminação, espectrometria e ferrografia. Saiba mais sobre cada uma delas:

 

  • Análise físico-química: avalia as condições do lubrificante pontualmente ou em análises periódicas.
  • Análise de contaminação: identifica a presença de substâncias que podem contaminar o sistema. O óleo pode ser contaminado por causa do desgaste do equipamento ou por reações químicas do lubrificante.
  • Espectrometria: permite identificar os elementos químicos presentes no lubrificante, já que o óleo passa por um processo de combustão e é desintegrado até o nível atômico. Esta análise é indicada para obter informações mais precisas sobre desgastes, contaminações e identificar aditivos.
  • Ferrografia: analisa as partículas encontradas nos lubrificantes para identificar o grau e o motivo do desgaste de máquinas e equipamentos.

 

Manutenção preditiva: as vantagens para motores a diesel

Um dos problemas mais comuns encontrados na manutenção de motores a diesel é a contaminação de óleo por água, que pode causar corrosão no reservatório, produzindo elementos contaminantes. Estes elementos muitas vezes são transportados até bombas e bicos injetores, gerando desgaste.

Isso ocorre no contato de compostos de enxofre com a água, geralmente detectados por meio da análise de infravermelho. Essa análise mede a quantidade desses compostos de enxofre presentes no lubrificante, e, quanto maior esse valor, maior a contaminação. Entretanto, somente o resultado de sulfatos não é suficiente para saber as condições do lubrificante. É necessário correlacioná-lo a outro resultado importantíssimo e pouco utilizado para obter uma avaliação mais precisa.

Alguns óleos lubrificantes possuem em sua formulação um tipo de aditivo chamado “detergente”. Tal aditivo contém cálcio e magnésio ou somente um deles. Ele acrescenta ao lubrificante uma característica “básica”, que tem como uma de suas principais funções evitar a formação de compostos ácidos, principalmente aqueles formados pelo enxofre. É possível determinar a quantidade desse aditivo básico mediante a análise do Número de Basicidade Total (TBN).

À medida que o resultado de sulfatos aumenta, o resultado do TBN diminui, já que uma molécula do aditivo neutralizou a formação de um ácido e perdeu sua função como aditivo. Com isso, podemos concluir que os resultados do TBN estão diretamente relacionados aos de sulfatação. Mas, atenção: deve-se sempre observar os valores iniciais do TBN (óleo novo). Há lubrificantes que têm valores iniciais do TBN mais elevados e, portanto, suportam maior contaminação por compostos de enxofre.

Dessa forma, com um diagnóstico preciso com base na análise de óleo do motor a diesel, a equipe responsável pela manutenção das máquinas e dos equipamentos da sua empresa pode identificar mais rapidamente e até mesmo antecipar possíveis erros, evitando comprometer o desempenho do serviço, a qualidade do produto ou também toda a linha de produção.

Uma análise de óleo eficaz do motor a diesel possibilita programar intervenções e manutenções de peças, antecipar situações de risco de falhas, reduzir custos com manutenção e estoque e evitar paradas desnecessárias, aumentando a disponibilidade do maquinário.

 

Conclusão

Como discutimos neste post, a análise de óleo e o processo de manutenção preditiva permitem uma programação mais assertiva de inspeções. A ausência desse tipo de manutenção deixa os motores a diesel e os demais equipamentos passíveis de problemas sérios em componentes importantes, podendo acarretar até mesmo a parada nas operações.

Tais paradas evidentemente representam grandes prejuízos a todo o processo produtivo das empresas, na medida em que exigem manutenções de caráter corretivo – de custo muito mais elevado –, além da troca de componentes de custo mais oneroso para as empresas.

 

Cuide do seu motor a diesel e de todo o seu maquinário com a manutenção preditiva da Oilcheck.

Posts

Mais lidos

Manutenção Preventiva x Manutenção Preditiva: Saiba a Diferença Manutenção preditiva: tudo o que você precisa saber sobre o assunto Quais os objetivos da manutenção preditiva? Análise de óleo: tudo o que você precisa saber sobre o assunto. Descubra o que é MTTR e MTBF e quais são suas diferenças O que significa o S10 para óleo diesel? As falhas mais comuns ligadas à lubrificação de motores Saiba qual é o Planejamento e Controle da Manutenção ideal As cinco funções básicas do óleo lubrificante Motor a diesel: você conhece suas principais partes?

Material

Gratuito

Gostou do que leu? Deixe um comentário!

Receba as atualizações e novidades do Blog

Thank you! Your submission has been received!

Oops! Something went wrong while submitting the form :(

ASSINE A NEWSLETTER DO BLOG
MANUTENÇÃO PREDITIVA
E SAIBA TUDO PARA MELHORAR
A PERFORMANCE DOS SEUS EQUIPAMENTOS