Tudo para você melhorar a performance dos seus equipamentos e evitar manutenções de alto custo. Fale com um especialista

Análise de Óleo

Análise de Óleo em Uso – Parte Vital da Manutenção

 20 de março

Porque fazer análise de óleo em uso no meu equipamento? Será que isso tem alguma finalidade útil e o que ela me diz? Como interpreto e utilizo esse tipo de informação? Essas são boas perguntas a se fazer quando você procura manter seus equipamentos em perfeitas condições de funcionamento. 

Para respondermos a pergunta “Por que…” primeiro precisamos determinar o tipo de programa de manutenção que queremos obter. A análise de óleo em uso é a espinha dorsal de qualquer programa de manutenção completo. Na atualidade do mercado é cada vez mais necessário cortar custo e até investimentos sempre que possível. Com todas as palavras de ordem hoje sobre manutenção. Tais como “preventiva, preditiva, proativa, confiabilidade” Acabamos  tratando a lubrificação como um tema “básico”.

A LUBRIFICAÇÃO e todos os processos que estão ao seu redor, não são básicos, e sim essenciais e necessários. Enquanto tratarmos esse tema como básico, o lubrificador será básico, seu conhecimento será básico, a remuneração será básica, a manutenção também será básica e o resultado será trágico.

Análise de Óleo em Uso – Parte Vital da Manutenção

Os custos de manutenção correspondem a parte principal dos custos operacionais totais de todas as plantas industriais de manufatura e de produção. Dependendo da indústria específica, os custos de manutenção podem representar entre 15% a 30% do custo dos bens produzidos. Por exemplo, em indústrias alimentícias, os custos médios de manutenção podem representar cerca de 15% do custo dos bens produzidos; enquanto que nas indústrias siderúrgicas, de papel e celulose, e outras indústrias pesadas, a manutenção pode representar até 30% dos custos totais de produção.

Análise de Óleo em Uso – Parte Vital da Manutenção

Entre outros fatores, os custos de manutenção podem ser causados por desgastes normal. Por manutenção negligente, pessoal destreinado, lubrificação inadequada ou escolha incorreta do lubrificante e omissão em fazer pequenos reparos ou assustes que estes se transformem em defeitos catastróficos.

O custo extra da manutenção podem ser o resultado de equipamento ou componente mal projetado, de cargas ou velocidades excessivas ou do uso de peças de reposição de má qualidade. Esta lista pode ficar interminável, mas uma coisa é evidente, a manutenção de equipamentos custa caro!

Enquanto tratarmos esse tema como básico, o lubrificador será básico assim como conhecimento será básico, a remuneração, a manutenção e logo o resultado será trágico.

A manutenção deve ser considerada mais um investimento do que uma despesa. O que leva a abordar esse assunto, analise de óleo em uso,  vem a ser a espinha dorsal de um programa adequado de lubrificação e manutenção preditiva/proativa.

A primeira etapa para a lubrificação adequada é a escolha do lubrificante. A maioria dos fornecedores de lubrificantes tem pessoal técnico para instruir na escolha dos lubrificantes para determinadas aplicações e até a elaboração de planos de lubrificação.

A segunda etapa é a escolha de um programa adequado de análise de óleos em uso. Para cada lubrificante e aplicação especifica. Nunca é demais salientar esse ponto. Se fizer uma análise impropria ou inadequada, nos dará informações incompletas e desnecessárias e te levará a conclusões erradas. Quando isso ocorre, os orçamentos de manutenção podem ser desperdiçados!

A terceira etapa é a coleta e remessa da amostra de óleo em uso. Esta é uma consideração a ser levada muito a sério. Para que a análise de óleo em uso seja eficaz, a amostra que está sendo analisada deve ser representativa do sistema e a coleta deve ser feita. De modo a garantir que ela não será contaminada. Nunca é demais enfatizar essas etapas porque a interpretação dos resultados da análise de laboratórios só pode ser válida na medida em que a amostra e representativa ao sistema e não contaminada.

A quarta etapa é o armazenamento do lubrificante, eu deixei por último, não menos importante. Visto que já foi publicado anteriormente:

https://www.linkedin.com/pulse/armazenagem-de-lubrificante-isso-pode-decidir-o-seu-programa-brito/?trk=prof-post

Posts

Mais lidos

Manutenção Preventiva x Manutenção Preditiva: Saiba a Diferença Manutenção preditiva: tudo o que você precisa saber sobre o assunto Quais os objetivos da manutenção preditiva? Análise de óleo: tudo o que você precisa saber sobre o assunto. Descubra o que é MTTR e MTBF e quais são suas diferenças O que significa o S10 para óleo diesel? As falhas mais comuns ligadas à lubrificação de motores Saiba qual é o Planejamento e Controle da Manutenção ideal As cinco funções básicas do óleo lubrificante Motor a diesel: você conhece suas principais partes?

Material

Gratuito

Gostou do que leu? Deixe um comentário!

Receba as atualizações e novidades do Blog

Thank you! Your submission has been received!

Oops! Something went wrong while submitting the form :(

ASSINE A NEWSLETTER DO BLOG
MANUTENÇÃO PREDITIVA
E SAIBA TUDO PARA MELHORAR
A PERFORMANCE DOS SEUS EQUIPAMENTOS